Relatos

Nascimento da Manú -Erika e Clayton Camargo

Bom pra começar tenho 20 anos e 2 filhos (para muitos isso é um absurdo) pra mim, tudo que eu mais queria em toda minha vida. Ser mãe independente da idade é descobrir que na vida nada pode ser mais apaixonante quer ser mãe.

Bom no meu primeiro parto (João) foi toda aquela correria na hora da contração, aquele desespero de ir para o hospital. La vi muitas coisas que me deixaram assustada tive muitas intervenções, tomei soro, quase estouraram minha bolsa só não estouraram porque no momento que falaram que elas iam estourar a bolsa se rompeu sozinha, foi feito uma episio, levei pontos mas pelo menos menos tive um parto normal.

Se passaram 1 ano e 8 meses e eu descobri que estava grávida novamente no começo fiquei meio em choque mas depois foi só alegria e com 8 semanas de gestação vi uma publicação no face que falava sobre o parto humanizado, que iria ter uma palestra em uma igreja, e logo me interessei e pedi para ima amiga ir comigo a Daphne topou na hora, chegando la eu e o Clayton escutamos cada palavra, cada lagrima, toda a emoção que aquela moça falava uma pessoa que a gente via que falava tudo com o coração falava por aprendizado, acabando a palestra a gente foi falar com ela e naquele momento conheci a Giovana e ela me falou sobre o AGE (grupo de apoio a gestante)logo me interessei mas sempre fui meio tímida então no começo pensei muito para ir,mas quando decidi ir me surpreendi com o amor de cada uma, do acolhimento em que fui recebida.

E la fui aprendendo muito, me interessando ainda mais pelo assunto, cada encontro em que eu ia era uma alegria a mais que eu ficava, conheci também a Suzana e a Samara duas também que estavam ali pra oque der e vier, na hora que fosse, para tirar qualquer duvida.

E com 35 semanas fiz um ultrason em que o medico falou que meu bebe estava com restrição de crescimento e me assustou com muitas coisas a mais, naquele momento meu chão caiu perdi o sentido de tudo me sentia culpada pensando que eu tinha feito alguma coisa, e logo fui falar com a Suzana que me tranquilizou e falou que não era tudo aquilo, que estava normal.

Depois de 2 semanas tornei a fazer outro ultrasom e com outro medico que me falou que não estava vendo restrição nenhuma que minha bebe não tinha nada ela só era menorzinha, mas não tinha nada de anormal.Nossa gente que alivio nem acreditava que ela estava bem, que era só esperar ela nascer.

Com 39 semanas e 3 dias numa quinta feira a Suzana conversou comigo sobre fazer o parto domiciliar e eu logo fiquei animada e falei com o Clayton que logo topou também e no dia seguinte já fui no consultório pra falar com a Suzana e a Giovana sobre as duvidas enfim deixar tudo certo para a chegada da Emanuelly.

No sábado eu acordei me sentindo diferente sentia que aquele seria meu dia passei o dia muito bem e a noite decidi ir ao mercado comprar umas coisas para o meu parto,saindo de la decidimos ir comer pastel e por volta das 21:30 tive minha primeira contração, nossa que felicidade naquele momento senti que estava chegando a hora de conhecer minha princesa,50 minutos depois tive outra contração um pouco mais forte.Eu sempre vendo no relojo se elas ficavam mais próximas.Era tanta felicidade que eu nem acreditava que eram contrações, então decidi entrar no chuveiro com o Clayton e ele sempre massagiando minhas costas e louco para que ela nascesse logo.

Saindo do chuveiro fiquei na bola fazendo os movimentos que aprendi com as meninas, eu estava tão tranquila que o Clayton queria ate que eu jogasse vídeo game com ele rs .
Umas 2 horas da manhã senti que as contrações estavam mais próximas estavam de 5 e em 3 minutos e comecei a conversar com a Giovana falar oque estava acontecendo e ela logo falou que já estava vindo.E sempre conversando também com a Carol a madrinha da Manu, que estava mais anciosa que todos juntos, e logo falou que já estava vindo também.Por volta das 2:30ª Giovana chegou com a Samara uma Doula de mão cheia diga se por sinal. Uma coisa que me impressionou muito no momento em que elas chegaram e que a Giovana perguntou pra mim se podia fazer um esame de toque em mim coisa que em um hospital eles não te perguntam eles já vão fazendo e não se importam muito (experiência própria), e eu estava com 4 de dilatação e decidi ir para o chuveiro, la tive muitos momentos de anciedade mas sempre me controlando e esperando o momento da Manu.

A Samara e a Giovana sempre me massageando e conversando sempre comigo me destraindo e o mais importante sempre escutando o caraçãozinho da manu , sempre me falando o quanto eu era forte e me elogiando.Sai do chuveiro e fiquei na bola novamente mas não me senti muito confortável e decidi voltar para o chuveiro e comecei a fazer uns exercícios para ajudar a manu a descer e as contrações já estavam ficando cada vez mais apertadas e nesse momento o Clayton veio e me abraçou e me falou o quanto eu era forte, que eu iria conseguir, que ele tinha orgulho de mim e o quanto ele me amava..Todas as meninas me abraçavam a Samara entrou ate no chuveiro comigo ficou toda ensopa coitada rs.

E conforme a dor ia ficando mais forte mais apoio eu tinha.Chegou um momento em que a dor apertou de verdade e eu entrei um pouco em desespero e me lembro que pedia a ajuda das meninas e elas sempre tranquilas me incentivando me falando o quanto eu era capaz.Ate que a Giovana e a Suzana me falaram para sentar no banquinho de parto, eu não queria, mas por fim me sentei e logo já me vi fazendo força porque aquela era a hora dela nascer, do meu lado direito eu tinha meu marido, ali segurando minha mão me dizendo palavras de incentivo em tudo e do lado esquerdo estava a Samara todos me dizendo para ter calma e falando que minha princesa estava nascendo e enquanto eu fazia força via a alegria nos olhos das meninas, pois a Manu estava vindo ao mundo empelicada uma criança nascendo dentro da bolsa dentro da água uma imagem que vejo no vídeo e já me enche os olhos de lágrimas, pois a Manu veio ao mundo empelicada e com 2 circulares de cordão.

Naquele momento que ela saiu a bolsa estourou na mão das meninas e ela logo já começou a chorar dizendo que estava bem, as meninas tiraram a circular e já me entregaram ela nos meus braços naquele momento eu senti tanta coisa que não dá para descrever eu olhava para o Clayton e via ele chorando ele feliz e emocionado não acreditando que ele também foi capaz de assistir a sua filha nascer, ele foi capaz de me apoiar em todas as decisões, foi em todos os encontros comigo aprendeu tanta coisa para naquela hora naquele momento.

E as 8 horas da manha do dia 30 de novembro a princesa nasceu e veio direto para os meus braços sentir meu calor, meu amor e ver o quanto ela era esperada, ela era desejada e não acreditava que ela estava ali que a gente tinha conseguido eu e o Clayton chorávamos de emoção eu agradecia as meninas por terem me apoiado me incentivado por serem assim tão especiais.

Elas esperaram o cordão parar de pulsar e quem cortou o cordão foi a madrinha babona que esteve sempre ali, meio que no cantinho dela mas estava ali comigo.
Nos primeiros 5 minutos de vida da minha filha ela já veio para o meu seio para se alimentar só me separei da minha filha para ir do banheiro para o quarto.

E logo meu marido foi acordar o João, pois meu filho esteve sempre em casa comigo dormindo é claro, pois era tarde, mas esteve sempre comigo e ele ficou espantado, pois um dia antes a Manu estava dentro da barriga da mamãe e acordou ela já tinha saído.

A Manu nasceu com 49 centímetros e 3 quilos em um parto domiciliar em casa tenho muito orgulho em dizer isso, e sempre digo nunca vou me cansar de agradecer as meninas por toda a ajuda e dedicação de todas.

Relatos

O depoimento de um pai historiador

Hospitalar

Minha experiência gestacional e de parto: o depoimento de um pai historiador. A minha esposa (Érica Ramos gatíssima e lindona) e...

Nascimento do Otto - Larissa Pereira e Juliano Baltazar e Nina Baltazar

Domiciliar

A chegada de Otto Pela segunda vez, meu marido Juliano e eu estávamos prestes a vivenciar um dos momentos mais lindos...