Relatos

Nascimento do Frederico - Luiza Moreira e Alberto

Mal consigo acreditar que estou sentada aqui, com o Frederico ao meu lado, escrevendo nosso
relato de parto. É com muita felicidade e emoção que vou tentar descrever o dia mais incrível
da minha vida.
Tudo começou uma semana antes do parto em si. No final de semana dos dias 15 e 16 de
outubro tivemos uma super lua cheia. Tive cólicas, contrações e ficamos preocupados porque
estávamos com 36 semanas. Segunda chegou, lua cheia passou, tudo parecia ter voltado ao
normal. Eu tinha certeza que o Frederico só nasceria em novembro e estava tentando
controlar a ansiedade mantendo minha rotina o mais normal possível. Fui nas aulas, no pilates,
no estágio, tudo tranquilo. No sábado dia 22 era aniversário do papai, fomos falar de plano de
parto em um workshop com a Samara (nossa maravilhosa doula <3), a tarde vimos a palestra
do Paizinho Vírgula, foi um dia agitado e bem gostoso. No domingo cedo fomos à feira e
passamos a tarde finalizando os detalhes do quartinho do Fred e arrumando a casa, pois
esperávamos que ele fosse nascer nas próximas semanas. Domingo, dia 23, também era dia do
aniversário do irmão do Alberto, André, mandamos parabéns e ele brincou perguntando se o
aniversário dele era só dele ainda, dissemos que sim e que o Frederico provavelmente só
chegaria em Novembro.
Fim de tarde de domingo resolvi ir treinar com o epi-no, na segunda vez em que estava
fazendo o exercício senti que junto com o epi-no saiu um pouco de líquido. Chamei o Alberto e
mostrei o líquido, ele achou que tinha cheiro de água sanitária, ficamos alertas, eu não
acreditei muito e fiquei em dúvida com o cheiro. Eram 18h e resolvi tomar um banho
quentinho para relaxar. Já no banho comecei a sentir cólica e mesmo ficando mais tempo não
passou, ligou um sinal de alerta na minha mente. Sai e mandei mensagem para a equipe
perguntando se devia ficar atenta mesmo, eu não conseguia acreditar, seria bom demais. A
Giovana, umas das enfermeiras que nos acompanhava, respondeu que sim e pediu para eu
descansar e observar como ficavam as contratações e a cólica. Fiquei marcando, mas estavam
irregulares e nem sempre eram doloridas. Falando com a Samara imaginamos que podiam ser
pródromos, combinei de continuar marcando as contrações e descansar.
Descansar, quem disse que eu conseguia? Fiquei animada, mas achava que era muito cedo e
que não devia ficar ansiosa, resolvi assistir Call the midwife para entra no clima, hahaha. Meia
noite finalmente estava mais tranquila e resolvi ir dormir. 2h21 acordo sentindo que fiz xixi na
cama, chamei o Alberto que deu um pulo para fora da cama, ele já tinha entendido, eu ainda
não. Mandamos mensagem para a equipe avisando e a Priscila, também EO, nos falou que
logo as contrações iriam começar a ser doloridas e não parariam mais, me disseram para il
tomar um banho bem quentinho e observar as contrações. Fiquei 1h no chuveiro e as
contrações realmente começaram, o Alberto estava anotando e vimos que eles estavam vindo
em intervalos cada vez menores, 7 em 7, 5 em 5, então a Giovana pediu para que a Samara
viesse ficar conosco. A Samara chegou às 4h37, as contratações estavam vindo de 3 em 3
minutos e eu conseguia conversar apenas no intervalo. Lembro de estar conversando com a
Sam e o Alberto na cozinha e que nós brincamos que eu não deixava eles terminarem nenhum
assunto, pois logo vinha outra contração.
Por volta das 5h30 a Gio chegou e passou a monitorar o Frederico, coraçãozinho batendo
forte, tudo indo super bem! Estavam a caminho a Priscila e a Francine, também EO, não
lembro ao certo que horas elas chegaram, lembro de cumprimentá-las, mas a relação com o
tempo e com o que estava acontecendo ao meu redor já estava bem confusa. As meninas
sugeriram que fôssemos andar em frente de casa, enquanto ainda estava bem cedinho, mas
eu já estava bem incomodada com a dor e sair na rua não pareceu tão legal, rs. Preferi ficar
andando no corredor de casa e elas perguntaram se eu gostaria de entrar no chuveiro
novamente, pareceu uma ótima ideia, lá fomos eu, Alberto, Sam e bola de pilates para o
chuveiro. A Sam colocou música para nós e ela e o Alberto se revezavam em ficar comigo,
passaram óleos, fizeram massagem, cada música que tocava eu ia entendo e finalmente
percebendo que tinha chegado a nossa hora, meu querido Frederico ia nascer, que felicidade!
Junto com esse entendimento veio muita emoção e com as músicas vieram também lágrimas
de felicidade, foi um momento muito especial.
Como as contrações tinha progredido bem, começou uma mobilização para encher a piscina,
para isso eu ia sair do chuveiro, ser avaliada e ver se podíamos entrar. Vimos que eu estava
com 7-8cm! Eu mal acreditei, deviam ser por volta de 10/11h, fui então caminhar enquanto
terminavam de encher a banheira. As contrações estavam bem doloridas, as massagens da
Sam e do Alberto ajudavam demais, na cozinha aproveitei para comer um pouco e lembro da
Fran tirando algumas fotos. Piscina cheia, bora para água! Que sensação maravilhosa de alívio,
Alberto entrou comigo e jogava água quente nas minhas costas. Depois de um tempo sentei
amparada no Alberto e estava com vontade de fazer força e ai começa o expulsivo! E eu fiz
força e fiz mais e nada do Frederico aparecer. Eu estava com muita dor na lombar e sentia a
cabecinha dele passando para o ponto onde eu sentia o epi-no e depois voltando para a
mesma região próxima a lombar. Depois de um tempo fazendo força as EOs me examinaram e
viram que não tínhamos progredido, o Frederico estava na mesma posição. Sugeriram então
que eu saísse da banheira e tentasse outras posições para ajudá-lo a encaixar.
E ai começou uma maratona da qual eu não consigo lembrar ao certo a cronologia dos fatos,
usei a banqueta e lembro da Priscila e da Giovana me auxiliando e me mostrando onde eu
devia fazer força, tentei muito, mas a dor na lombar e a posição na banqueta não ajudavam,
fui para cama, tentei várias posições, examina e o Frederico estava na mesma posição. O
tempo todo eu sentia ele indo e voltando na região da bacia, mas não conseguia fazer a força
suficiente para ele passar daquele ponto. Fui novamente para o chuveiro, Sam e Alberto
sempre comigo, nesse momento lembro de falar que não aguentava mais, que estava cansada
e os dois me encorajando, ao mesmo tempo eu pensava ?não acredito que eu estou falando
isso!?, rs. Sai do chuveiro e voltamos a tentar de tudo, tomei chás, homeopatia, usamos moxa,
dancei com a Sam, tentei de muitos jeitos e nada do Frederico nascer. Eu estava exausta, não
conseguia mais me sustentar, comecei a ter cãibras na perna e não achava uma posição em
que eu conseguisse fazer força.
Já era fim de tarde, eu pedi para deitar um pouco, as EOs e a Sam saíram, falaram para eu
descansar um pouco, Alberto ficou comigo. As contrações tinham espaçado e eu consegui
dormir um pouco. Quando as contrações voltaram pedi para o Alberto me ajudar, lembro de
dizer que eu sentia o Fred descendo, falei que aos pouquinhos eu ia conseguir, pedi para que
ele ficasse comigo. Alberto foi fantástico em todos os momentos, mas foi nessa hora que eu
mais senti que estávamos conectados, nessa hora eu tive certeza que juntos nós íamos
conseguir parir. Fiz força deitada de lado, Alberto empurrando meu pé e me incentivando,
lembro de abrir o olho e ver meu pé na testa dele enquanto ele olhava com uma lanterna para
ver se o Frederico estava descendo. A Sam veio para o quarto e me deu açaí para comer, nisso
todas voltaram ao quarto e falaram que eu precisava andar e me movimentar para que o Fred
nascesse, e eu perguntei como? Não conseguia forças para ficar em pé. Perguntei então se
podia ir para o vaso, elas disseram que sim e saíram. Não sei se o Alberto e a Sam foram juntos
comigo para o banheiro, lembro dos dois lá em momentos diferentes. O Alberto veio
conversar comigo, dizendo que eu precisava andar e me movimentar, que o Fred estava
parado a muito tempo e precisava de ajuda para nascer. Lembro de falar ?espera só mais essa
contração passar e eu vou andar?. Nisso lembro que agarrei na pessoa na minha frente e fiz
muita força, com o corpo inclinado para frente e senti que a cabeça dele desceu e encaixou no
lugar que eu sentia o epi-no. Eu gritei que sentia a cabeça e lembro que me tiraram do vaso e
fui para banqueta, realmente era o Frederico vindo, todos posicionados, agarrei no tecido que
prenderam na porta e puxei o tecido com toda força empurrando o Frederico. Não sei quantas
contrações foram, sei que logo senti a cabeça saindo, logo depois os ombrinhos e o corpinho
todo quente.
Que sensação maravilhosa! Indescritível! Veio para o meu colo, chorando, lindo, me olhando,
com o cheirinho mais maravilhoso do mundo! Papai que estava logo atrás de mim cortou o
cordão quando parou de pulsar e depois de umas coliquinhas veio a placenta. Fomos para
nossa cama e ficamos juntinhos. Depois ainda na cama pesaram, mediram, tudo ali ao nosso
lado, sem pressa, todos juntos e felizes, mamãe terminando de comer o açaí, rs. Tiramos fotos
com todos e Tia Gio e Tia Sam ainda ficaram e comeram pizza com a gente.
Foi cansativo, muito difícil, tive medo de não conseguir, mas depois valeu cada segundo e
passaria por tudo mil vezes.
Filho, esse foi o primeiro presente da mamãe e do papai para você, um nascimento respeitoso,
no aconchego do nosso lar, com muito respeito, amor e carinho.
Amor, Alberto, nem sei o que falar, você foi nota 1000, indescritível. Sempre soube que você
seria um excelente pai e marido, mas você me surpreende a cada instante, nossa conexão só
ficou mais forte e tenho uma admiração indescritível por você. Te amo muito e cada dia mais.
Obrigada por me dar esse presente que é ser mãe, obrigada por escolher compartilhar a vida
comigo!
Equipe, Sam, Gio, Pri e Fran. Obrigada de coração, pelo apoio, informações, carinho, cuidado e
comprometimento. Vocês foram incríveis e sem vocês nada disso teria acontecido, muito
obrigada por participarem do momento mais especial das nossas vidas. Gratidão!

Relatos

O depoimento de um pai historiador

Hospitalar

Minha experiência gestacional e de parto: o depoimento de um pai historiador. A minha esposa (Érica Ramos gatíssima e lindona) e...

Nascimento do Otto - Larissa Pereira e Juliano Baltazar e Nina Baltazar

Domiciliar

A chegada de Otto Pela segunda vez, meu marido Juliano e eu estávamos prestes a vivenciar um dos momentos mais lindos...